Televendas: (48) 3237-4022 / 3237-3315

(48) 3237-4022 / 3237-3315

vendas@grupotropical.net

Hierarquia dos Artigos
Início dos Artigos » Blog Tropical » A indústria de cimento e a sustentabilidade
A indústria de cimento e a sustentabilidade

http://www.industriahoje.com.br/wp-content/uploads/2014/04/cimento.jpg

 

A indústria brasileira de cimento é reconhecida internacionalmente por seu excelente desempenho energético e ambiental e pela reduzida emissão de gases de efeito estufa, principalmente quando comparada a países como Estados Unidos, União Européia e Japão. Essa posição é fruto de um grande esforço das indústrias que realizam, há anos, ações para reduzir emissões, contribuindo no combate às mudanças climáticas.

Em 2016, a indústria brasileira de cimento, com apoio técnico da Associação Brasileira de Cimento Portland (ABCP), processou em seus fornos cerca de 900 mil toneladas de resíduos, por meio da tecnologia do coprocessamento.

Desse total, 77% dos resíduos tinham poder calorífico e foram aproveitados como combustível alternativo e 23% como substituto de matéria-prima do cimento.

“Estima-se que a indústria tenha um limite de capacidade potencial para coprocessar 2,5 milhões de toneladas de resíduos. Para isso, o Brasil precisa ampliar essa experiência, pois o coprocessamento também é indicado para grandes e médias cidades que possuem separação e tratamento adequado de lixo”, salienta o geólogo Yushiro Kihara, gerente de tecnologia da ABCP e professor Doutor da Universidade de São Paulo (USP).

Além de lixo urbano, produtos de alto poder calorífico podem substituir parcialmente o combustível que alimenta os fornos de cimento. Entre eles: solventes, resíduos oleosos, óleos usados, graxas, pneus, resíduos plásticos e de fábrica de papel, ossos de animais, grãos de validade vencida, casca de arroz, bagaço de cana-de-açúcar.

“Vale lembrar que o coprocessamento é regulamentado pelo Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama) e está contemplado no texto da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) como alternativa ambientalmente adequada de gestão de resíduos”, ressalta Yushiro.

A lei determina que os resíduos não podem ser tratados como rejeitos até que se esgotem todas as possibilidades de reaproveitamento.

Mudanças Climáticas – Somando esforços ao Sindicato Nacional da Indústria do Cimento (SNIC), a ABCP tem se dedicado ao tema, contribuindo com os governos federal e paulista no preparo do Inventário Nacional e Estadual de Emissões do setor para a formulação de diretrizes e metas para a indústria nacional sobre a redução dos gases de efeito estufa.

Cenário Nacional – A ABCP reúne 10 grupos de indústrias de cimento associadas que formam 44 unidades de produção espalhadas pelo país. Destas, 37 são licenciadas pelos órgãos ambientais estaduais competentes para coprocessar resíduos. A geração anual de resíduos, Classe I, é estimada em 2,7 milhões de toneladas.


http://reformafacil.com.br/ecologia/a-industria-de-cimento-e-a-sustentabilidade/

| Principal | Quem Somos | Blog Tropical | Mapa do Site | Sistema Clientes

Madeireira Litoral Tropical © 2014 - 2018. CNPJ: 08.793.763/0001-49

Rodovia SC 405, 2954, Rio Tavares, Florianópolis. Fones: (48) 3237-4022 / 3237-3315

site desenvolvido por: www.wsdbrasil.com.br

Powered by PHP-Fusion copyright © 2002 - 2018 by Nick Jones. Released as free software without warranties under GNU Affero GPL v3.